CAMINHOS DA HQ

Itaú Cultural
convida

CAMINHOS DA HQ

Uma série de debates sobre o universo dos quadrinhos, serão realizados nas quartas-feiras de julho, como parte da programação paralela à Ocupação Glauco. O debate, com a presença de destacados quadrinistas (veja abaixo a programação), abordará temas como Quais são as perspectivas profissionais para quem faz quadrinhos no Brasil? Como cultivar o público na internet? Como as HQs trabalham a não ficção e como discutem as questões de gênero e raça?

A proposta dos debates é ampliar a discussão com artistas que seguem em caminhos distintos, às vezes complementares, às vezes antagônicos.

image003Trecho de “Por mais um dia com Zapata”, arte de Alex Rodrigues e Al Stefano com roteiro de Daniel Esteves

 

Mais informações com perfis e desenhos dos quadrinistas convidados na página http://www.itaucultural.org.br/programe-se/agenda/evento/caminhos-da-hq/

 

Serviços
. Datas: todas as quartas-feiras de julho 2016, dias 6, 13, 20 e 27. Horário: sempre às 20h

. Local: sala Itaú Cultural – Av. Paulista, 149 [próximo ao metrô Brigadeiro]
. Entrada franca – Ingressos distribuídos com uma hora de antecedência na bilheteria do instituto [público preferencial: duas horas de antecedência]. Capacidade da sala: 247 lugares

 

Programação

06 julho, quarta-feira
20h

Tema da mesa: VIVER OS QUADRINHOS

com Marcatti e Klebs Junior

– Quais são as possibilidades para quem se propõe a trabalhar com quadrinhos no Brasil? Conheça a experiência de dois quadrinistas nesse sentido: Marcatti, tão autoral que imprime muitas de suas revistas numa offset própria; e Klebs Junior, que atua mais em equipe e dirige um estúdio/escola/editora.

13 julho, quarta-feira
20h
Tema da mesa: HQS EM REDE
com Carol Rosetti e Fábio Coala
– Artistas que cultivam redes, principalmente em torno de uma produção on-line: Carol Rossetti, autora do Projeto Mulheres, engajado em questões feministas; e Fábio Coala, que apresenta no Mentirinhas
 tiras humorísticas sobre o cotidiano e histórias longas dramáticas. Qual é a relação deles com o público e até que ponto esse contato influencia as suas criações?

20 julho, quarta-feira
20h
Tema da mesa: A REALIDADE NAS HQS
com Alexandre de Maio e Daniel Esteves
– O jornalismo em quadrinhos de Alexandre de Maio e a utilização de elementos históricos nas HQs do roteirista Daniel Esteves.

27 julho, quarta-feira
20h
Tema da mesa: REPRESENTATIVIDADE E AS HQS

com Ana Recalde e Marcelo D’Salete
– Raça e gênero são questões que envolvem toda a sociedade e estão cada vez mais presentes nos quadrinhos. Nesta mesa, saberemos como isso se dá no trabalho da roteirista Ana Recalde, editora de um selo de HQs feitas só por mulheres, e do quadrinista Marcelo D’Salete, que aborda a questão do negro em suas obras.

 

————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————–

BANCA DE QUADRINISTAS

Convidamos todos também a comparecerem na atividade BANCA DE QUADRINISTAS – um espaço em que o público descobre novas publicações em contato direto com artistas, coletivos, selos ou instituições relacionados às HQs.

 

Data da atividade Banca de Quadrinistas: 20 e 27 julho. Local: Espaço de Convivência, Sala Multiuso, Piso 2. Horário: 14h30 às 19h30 (classificação 12 anos)
Saiba mais sobre a BANCA DE QUADRINISTAS na página http://www.itaucultural.org.br/programe-se/agenda/evento/inscricoes-banca-de-quadrinistas/

Contato: Visuart Comunicação | Luiz Pedreira Jr | comunicacaovisuart@gmail.com | Tel 98405-4664 ou 5571-1557

PALAFITAS

Para encerrar a programação especial em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, o SESC Bom Retiro exibe o vídeo PALAFITAS, nos dias 9 e 10 de julho.

A palafita não é apenas uma habitação. É um gênero de vida, síntese da relação homem-natureza na Amazônia. A série Habitar/Habitat (SESCTV) navega pelos rios e igarapés de Manaus e região. Entrevista famílias ribeirinhas, artistas populares, arquitetos e pesquisadores para contarem como se constrói e como se vive em harmonia numa palafita ribeirinha, e a amargura das palafitas urbanas. Duração total: aproximadamente 50 min

Dias: 9 e 10/7

Horário: Sábado às 10h e às 16h e domingo às 16h

Bom Retiro

 

Durante todo o mês de julho, as 33 unidades do SESC da capital, interior e litoral promoveram ações educativas que estimulam a percepção sobre como a população lida com as questões ambientais.

NÚCLEOS JOVENS DO INSTITUTO BACCARELLI ESTREIAM NO AUDITÓRIO MASP UNILEVER

Com ingressos a preços populares, as orquestras Infantojuvenil, Preparatória e a Sinfônica Heliópolis subirão ao palco em 17 de julho, além do Coral da Gente do Instituto Baccarelli, em 24 de julho

 

Muito se sabe, na área da música erudita, o quanto é admirado o trabalho da Orquestra Sinfônica Heliópolis, tanto na formação de grandes talentos, quanto no que diz respeito à competência na execução de grandes clássicos. Nos dias 17 e 24 de julho, entretanto, será possível acompanhar mais de perto o resultado do trabalho de base desempenhado pelo Instituto Baccarelli, que promoverá, no Auditório Masp Unilever, a estreia das orquestras Infantojuvenil e Preparatória, sob a regência de Eduardo Bello e Fábio Almeida, respectivamente. Ambas estarão diante do público em 17/7, às 16h. Antes, a própria Orquestra Sinfônica Heliópolis se apresentará sob a batuta de Edilson Ventureli, às 11h, do mesmo dia. Em 24/7, também às 11h, o Coral Avançado do Instituto Baccarelli levará ao público o espetáculo Do Pó ao Pó, que apresenta diferentes momentos sociais e políticos ao longo da história, retratando como a sociedade continua cometendo os mesmos erros, em uma performance que mescla canto e interpretação cênica a partir de um repertório recheado de músicas nacionais e internacionais.

 

Abrindo os trabalhos desta jornada (17/7, às 11h), a Orquestra Sinfônica Heliópolis terá, como convidado, o chileno Rubén Zúñiga ao vibrafone. Ele executará o “Concerto Para Vibrafone e Orquestra de Cordas”, de Emmanuel Séjourné, e, logo depois, o grupo interpretará a “Sinfonia nº 2 em Ré Maior, Op. 36”, de Ludwig van Beethoven.  Edilson Ventureli assumirá a batuta, a qual, geralmente, fica a cargo de Isaac Karabtchevsky, o maestro titular da formação.

 

Às 16h, no mesmo local, acontecerá a estreia das orquestras Preparatória e Infantojuvenil. A primeira, que atua sob coordenação e regência de Fábio Almeida, configura-se como um conjunto que contempla 33 integrantes com idades que variam de 8 a 15 anos. Criada em agosto de 2015, trata-se de um estágio anterior à orquestra Infantojuvenil. O repertório da apresentação contará com obras de Johann Sebastian Bach (“Suite Orquestral no 3 em Ré Maior, BWC 1068: Ária”), Antonio Vivaldi (“Concerto para Cordas em Rè Maior, RV 121”), Wolfang A. Mozart (“Pequena Serenata Noturna, KV 525: Excertos”), Astor Piazzolla (“Homenaje a Córdoba”) e Antônio José Madureira (“Toré”)

Quanto à apresentação da Infantojuvenil, tendo à frente o maestro Eduardo Bello, seus integrantes brindarão a plateia com as composições “Aftershock”, de Larry Clark, “Expressions”, de Bill Calhoun, “Prairie Trail”, de Jeffrey Bishop, “The Miller’s Fiddler”, de Doris Gazda, “The Trapeze Waltz”, de Joseph Compello, e “Variations upon the Sailor’s Hornipipe”, de Virginia Croft.

 

 

 

(SERVIÇO)

Auditório MASP Unilever

Endereço: Avenida Paulista, 1578

Dias e Horários: 17/7, às 11h e 16h;  24/7, às 11h

Duração: 60 minutos

Ingressos (preços populares): R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Capacidade: 374 pessoas; há acesso para portadores de necessidades especiais
Vendas: bilheteria do Masp ou pela Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br ou 11/4003.1212)

Classificação: livre

 

SOBRE A ORQUESTRA SINFÔNICA HELIÓPOLIS

A Orquestra Sinfônica Heliópolis (OSH), principal formação do Instituto Baccarelli, promove prática orquestral e conhecimento de repertório sinfônico a alunos avançados da instituição. Com direção artística de seu maestro titular, Isaac Karabtchevsky, a orquestra, reconhecida internacionalmente por sua qualidade artística, tem como patrono o maestro indiano Zubin Mehta, que visitou a instituição em 2005 e se encantou com o poder da música enquanto ferramenta de transformação social. Até hoje, a OSH é a única orquestra de toda a América do Sul que teve a oportunidade – e orgulho – de ser regida por Mehta.

A versatilidade do grupo permite à sinfônica transitar pelo universo da música de concerto e da música popular, mantendo alto padrão de excelência na execução das obras. Assim, já se apresentou sob a regência dos maestros Zubin Mehta, Peter Gülke, Yutaka Sado, acompanhada de Julian Rachlin, Erik Schumann, Domenico Nordio, Paula Almerares, Leonard Elschenbroich, Arnaldo Cohen, Jean-Louis Steuerman, Antonio Meneses, Ricardo Castro e de artistas consagrados como Ivete Sangalo, Milton Nascimento, João Bosco, Luiz Melodia, Lenine, Paula Lima, Toquinho, Fafá de Belém e Ivans Lins, entre outros. O grupo já se apresentou em importantes palcos, como Sala São Paulo, Theatros Municipais de São Paulo e do Rio de Janeiro, Gasteig (Alemanha) e Muziekgebouw (Holanda), além de ter participado de eventos como o Festival Beethoven (Bonn/Alemanha) e Rock In Rio, com Mike Patton.

 

SOBRE CORAL DA GENTE

Com um repertório diversificado, que inclui composições brasileiras e obras internacionais do repertório popular e erudito, os corais que integram o projeto Coral da Gente do Instituto Baccarelli já realizaram apresentações em diversos espaços culturais de São Paulo, como Sala São Paulo, Teatro Alfa, Theatro Municipal de São Paulo, Estádio do Morumbi, Mosteiro de São Bento, Páteo do Colégio e Catedral da Sé. O Coral da Gente é a porta de entrada no Instituto Baccarelli para crianças e adolescentes, de 4 a 14 anos, da comunidade de Heliópolis e região.  Sob a coordenação pedagógica de Silmara Drezza, ao lado de uma competente equipe de professores, os grupos trabalham voz e expressão corporal, praticando atividades que têm como objetivo a formação centrada no desenvolvimento de valores para a vida em sociedade, através do aprendizado da música de forma prazerosa.

 

SOBRE O INSTITUTO BACCARELLI

Em 1996, sensibilizado por um incêndio de grandes proporções em Heliópolis, o maestro Silvio Baccarelli prontificou-se a ensinar música para 36 crianças e jovens da comunidade, como forma de diminuir o sofrimento das famílias atingidas e contribuir para a autoestima e possibilidade de educação desses menores. Como o bairro da zona sul paulistana não dispunha de local apropriado para as atividades, o maestro cedeu o próprio imóvel, o Auditório Baccarelli (localizado na Vila Clementino), para dar início às aulas.

Surgia, assim, o Instituto Baccarelli, uma organização sem fins lucrativos que, hoje, já em sede própria, atende mais de 1.000 crianças e jovens por meio de seus programas socioculturais, os quais têm como premissa pedagógica proporcionar uma formação musical e artística de excelência, contribuindo, dessa forma, para o desenvolvimento pessoal e criando oportunidades de profissionalização na música erudita.

Para essas atividades, o Instituto dispõe de ampla estrutura, distribuída em dois prédios, onde ocorrem práticas de conjunto de 5 orquestras, 14 corais, 20 grupos de musicalização, 6 grupos de câmara e 2 cameratas, além de aulas em grupo e individuais sob a responsabilidade de 8 regentes e 60 professores.

A Orquestra Sinfônica Heliópolis, principal formação da casa, conta com direção artística de seu maestro titular, Isaac Karabtchevsky, e com o patrono indiano Zubin Mehta, que visitou a instituição em 2005 e se encantou com o poder da música enquanto ferramenta de transformação social.

O Instituto Baccarelli constrói dia a dia uma história de conquistas, fruto de um amplo trabalho educacional, que transcende a profissionalização musical, suscitando valores como disciplina, respeito, criatividade, convivência e senso colaborativo em grupo – essenciais à formação e ao desenvolvimento de todo cidadão em nossa sociedade.

 

Para a manutenção de suas atividades, o Instituto Baccarelli conta com os seguintes patrocinadores, distribuídos por categorias. Master: Petrobras; Ouro: BNDES, Vivo e Volkswagen; Prata: Bradesco, Grupo Segurador BB e Mapfre; e Bronze: Banco Volkswagen, Instituto Votorantim, Magazine Luiza e Pernambucanas.

 

Instituto Baccarelli

Endereço: Estrada das Lágrimas, 2.317 – Heliópolis, São Paulo/SP

Horário: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 20h30; sábados, das 8h às 15h30

Contatos: (11) 3506-4646 ou pelo email comunicacao@institutobaccarelli.org.br

Site: www.institutobaccarelli.org.br

No Dia do Imigrante no Brasil, 25 de junho, Mostra Portuguesa de Teatro para Infância estreia com espetáculo internacional para crianças entre 3 e 5 anos no Centro Cultural São Paulo (CCSP)

No Dia do Imigrante no Brasil, 25 de junho, Mostra Portuguesa de Teatro para Infância estreia com espetáculo internacional para crianças entre 3 e 5 anos no Centro Cultural São Paulo (CCSP)

 

Pela primeira vez no Brasil, o espetáculo Poemas para Bocas Pequenas, do grupo português Cia. Stage One, estreia no Centro Cultural São Paulo (CCSP), entre os dias 25 e 26 de junho, integrando a Do Outro Lado do Oceano – Mostra Portuguesa de Teatro para Infância. É uma viagem ao mundo das crianças de três a cinco anos de idade, que centraliza na vivência e explora temas importantes como a família, a rua, o tempo, a terra, o ar ou o medo.

 

Construído a partir de poemas de autores portugueses como Sidónio Muralha, Luísa Ducla Soares, António Torrado e Fernando Miguel Bernardes, visita obras do cancioneiro popular português e de pequenas pontes verbais que aconchegam a lógica que guia o corpo, a linguagem, o pensamento e a imaginação numa viagem plena de experiências musicais e sensoriais. “Os poemas falam sobre coisas da vida. Por isso, uns já existiam e outros foram escritos depois de algumas sessões de filosofia com e para crianças”, conta a diretora e intérprete Margarida Mestre.

 

A curadora de teatro infanto-juvenil do CCSP, Lizette Negreiros diz que “são dois espetáculos dirigidos para crianças de três a cinco anos. E essa questão do teatro para bebês ainda é um embrião aqui em São Paulo. No Brasil já acontece, mas ainda não tem uma discussão tão ampla como já tem o teatro infantil. No teatro para bebês é diferente, por isso, é mais próximo. Neste formato agindo mais junto da criança, os atores. Os sentidos serão também diferenciados”.

 

A temática da apresentação é direcionada a questões importantes da vivência nesta faixa etária, que fazem parte do mundo que os rodeia como os ciclos da natureza, o espaço, o desconhecido; e as coisas que não gostamos de fazer ou aquelas que nos dão o que pensar. Uma delicada comunicação e uma apurada e rica abordagem das potencialidades musicais da linguagem orientado por simples formas sonoras, espaciais e visuais que, ora enquadram, ora escondem, ora revelam palavras faladas, entoadas ou cantadas, este recital quer propor o ato de pensar e de sentir poesia.

 

Segundo Margarida Mestre, a apresentação dos poemas tem uma atenção especial à musicalidade, o que sugere universos sonoros específicos da infância. Para isso, Margarida e o intérprete António-Pedro tocam diversos instrumentos, entre eles bateria, pandeiro, chocalho e cavaquinho, além de objetos inusitados que também emitem sons, como apitos, sementes e um saco plástico.

 

 

Cia. Stage One

A Stage One nasceu em Maio de 2012 numa conversa de fim de tarde entre Maria João Santos e Maria Manuel. A trabalhar em Produção desde 2005, há muito que partilhavam o desejo de tornar esta área mais profissional e de prestar o melhor e mais eficiente serviço de gestão de projetos e espetáculos.

Produção executiva, coordenação de projetos, marcação e preparação de digressões, receção de artistas nacionais e internacionais, organização de logística de transportes e acolhimento foram algumas das competências desempenhadas para entidades de referência como o Teatro Nacional D. Maria II, a Fundação Calouste Gulbenkian, o Hot Clube de Portugal, a European Union Youth Orchestra, as Produções Fictícias, a Companhia de Ópera do Castelo, o Santiago Alquimista ou o Teatro Meridional.

No passado, destaca-se o trabalho com artistas como Joana Carneiro, Maria João e Mário Laginha, André Fernandes, José Peixoto, Filipe Melo, Diogo Infante, Gonçalo Waddington (nos seus projetos de teatro), Raquel Castro, Companhia Caótica, entre outros, as peças de teatro “Preocupo-me, Logo Existo!”, “Os 39 Degraus”, “Rosmersholm”, “At most mere minimum”, “McBain”, “Albertine – um continente celeste”, “Os dias são connosco”, iniciativas como o “Jazz às Onze” do Hot Club Portugal com a Egeac e a Carris (desde 2008), e a coordenação de equipas e artistas no alkantara Festival 2010 e no Palco Sunset do Rock in Rio 2012.

Desde 2005 que colaboram com a Fundação Calouste Gulbenkian na prestação de serviços para diferentes departamentos da Fundação, como o Serviço de Música na produção e coordenação da exposição comemorativa “Ponto de Fuga – 50 anos de Orquestra” e na assistência à Orquestra Gulbenkian; e o Projeto Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência (PGECC) em iniciativas como “O Dia da Criatividade (PGEC/FCG e AGECOP) e “Palavras daqui, dali e dacolá” (PGEC e Próximo Futuro).

A Stage One desenvolve ainda um trabalho próximo e de continuidade com vários artistas como Fernando Mota, Cláudia Andrade, Carla Galvão, Crista Alfaiate, Simão Costa, Margarida Mestre, entre outros.

 

Palestras e debates:

Após a sessão de sábado, 25, os intérpretes terão uma conversa com o público referente ao processo de criação do grupo.

Não haverá necessidade de inscrição. Os interessados em conhecer como é o trabalho do grupo, serão recebidos num grupo de 40 pessoas, na Sala de Ensaio II, ás 17h, independente se tenha assistido o espetáculo ou não.

 

 

Ficha técnica:

Nome do espetáculo: Poemas para Bocas Pequenas.

Nome do grupo: Cia. Stage One.

Direção, escrita e interpretação: Margarida Mestre | Cocriação, direção musical e interpretação: António-Pedro | Espaço cênico e figurinos: Inês de Carvalho | Consultadoria para a escrita: Dina Mendonça, especialista em filosofia com e para crianças.

Poetas do espetáculo: Sidónio Muralha, Luísa Ducla Soares, AntónioTorrado, Fernando Miguel Bernardes, Cancioneiro Popular Português, Margarida Mestre e António-Pedro.
Vídeo: Helena S. Inverno/Produção Companhia Caótica | Direção de produção e Difusão: Stage One | Iluminação: Jochen Pasternackis.

 

 

Fotos para divulgação: https://picasaweb.google.com/ccspsite/6293918362363295617

 

 

Entrevista concedida pela curadora de teatro infanto-juvenil do CCSP, Lizette Negreiros: https://www.youtube.com/watch?v=kiOg7QVBH5k&feature=em-share_video_user

 

Ficha técnica – entrevista:

 

Direção: Chicão Santos

Câmera/Edição: Giovanni Belleza

 

 

Serviço:

 

Do Outro Lado do Oceano – Mostra Portuguesa de Teatro para Infância

Poemas para Bocas Pequenas

25 a 26 de junho – sábado e domingo, às 16h

Sala Jardel Filho – CCSP | Lotação: 80 pessoas (40 adultos e 40 crianças)

Duração: 40 min. | Faixa etária: 3 a 5 anos

Grátis | Retirada de ingresso 1 hora antes do espetáculos

Obs.: A Cia. Stage One solicita que seja obedecida a lotação do espetáculo devido a especificidade do trabalho que será realizado no palco da Sala Jardel Filho, CCSP. Não haverá 2ª sessão.
Obs.: A faixa etária não é livre.

 

 

Sub-evento Do outro lado do oceano- Mostra Portuguesa de Teatro para infância
25 de junho – sábado, às 17h
Sala de Ensaio II – CCSP
Duração: 120 min. | Lotação: 40 pessoas

Grátis | Retirada de ingresso 1 hora antes

 

 

Centro Cultural São Paulo (CCSP)

Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso (Próximo às estações Paraíso e Vergueiro do metrô)

Informações ao público: 3397-4002

Assessoria de imprensa: Nelson de Souza Lima,

Zaira Hayek e Gustavo César de Almeida (estagiário) – (11) 3397-4063/4064

www.centrocultural.sp.gov.br

@CentroCultural | fb: CentroCulturalSaoPaulo

Conheça os planetários de São Paulo

IBIRAPUERA
Com quatro sessões diárias e capacidade para receber 305 visitantes, o planetário demonstra como é o céu da cidade sem fatores urbanos como a poluição luminosa e excesso de luz da cidade difundida na atmosfera. Atenção para o limite de idade: apenas crianças de cinco anos ou mais podem entrar, e é preciso apresentar RG ou certidão de nascimento (acompanhada de documento dos pais) na bilheteria.
Planetário Prof. Aristóteles Orsini – Pq. ibirapuera. av. Pedro Álvares Cabral, s/n. Parque Ibirapuera tel: 5575-5425
Sáb. e dom. 10h, 12h, 15h e 17h. Em janeiro, fevereiro, julho e dezembro, de ter. a dom. 10h, 12h, 15h e 17h. 40 min. Retirar ing. 1h antes
Grátis

CARMO
As apresentações mostram constelações, planetas, tratam de estrelas e buracos negros e Big Bang, a explosão que deu origem ao universo. Não se esqueça de levar os documentos dos pequenos, já que só é permitida a entrada de crianças com idade a partir de cinco anos. Dica: leve agasalho para não passar frio e chegue com duas horas de antecedência para as sessões da tarde.
Pq. do Carmo Olavo Egydio Setúbal. r. John Speers, 167, tel: 2522-4669
Sáb. e dom. 10h, 12h, 15h e 17h. 30 min. Retirar ing. com 1h de antecedência.
Grátis

SANTO ANDRÉ
Considerado o mais moderno da América Latina, o Planetário e Teatro Digital de Santo André tem apresentações diferentes em cada uma das quatro sessões aos finais de semana. Não há restrição de idade, mas a administração não recomenda a presença de menores de quatro anos. Diferentemente dos outros, cobra entrada, de R$ 10 a R$ 40 (para duas sessões).
Sabina Parque do Conhecimento. trav. da r. Juquiá, s/n.alt. do n. 135. Vila Eldízia, Santo André, tel: 4422-2000
Sáb. dom. e feriado: 13h30 e 16h. 50 min.
Ing.: R$ 10 a R$ 40 (grátis para menores de 5 anos
Estac. grátis

Fonte: Revista da Folha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 1 de 11012345...1020304050...Última »